da PESQUISA das LEMBRANÇAS MATERIAIS

segunda-feira, 16 de maio de 2011

a conta

e por sobre a pele lustrosa
entre os seios sardosos
me recolho ao seu colo
e sob os cabelos cheirosos
faço da minha morada
esse tenso cangote
e aos dias de sol quente
deslizo ao corpulento decote
desliso toda sua pele
conto toda sua lentigem
intencionalmente perco a conta
me faltam os dedos para somar
o que tantas belezas exigem

Um comentário:

  1. esse tenso cangote quer maxage.
    linda linda linda poesia.

    ResponderExcluir